FacebookTwitterLinkedIn

Trabalho híbrido pressionará a infraestrutura de TI

https://network-king.net/wp-content/uploads/2021/06/homeoffice753-769x414.jpg

O impacto duradouro do trabalho remoto resultará na necessidade imediata de reavaliação da infraestrutura de TI, alerta o Gartner. Trabalhadores remotos representarão 32% da força de trabalho em todo o mundo até o final deste ano, segundo a consultoria. E se considerarmos apenas os chamados “trabalhadores do conhecimento” esse índice sobe ainda mais, para 51%.

A consultoria define “trabalhadores do conhecimento” como aqueles que estão envolvidos em ocupações de conhecimento intensivo, como escritores, contadores ou engenheiros. Já trabalhador remoto é o funcionário que trabalha fora do local de trabalho pelo menos um dia inteiro por semana (trabalhadores híbridos) ou em home office (trabalhadores totalmente remotos).

Os EUA liderarão em termos de trabalhadores remotos em 2022, respondendo por 53% da força de trabalho dos EUA. Em toda a Europa, os trabalhadores remotos do Reino Unido representarão 52% de sua força de trabalho em 2022, enquanto os trabalhadores remotos na Alemanha e na França serão responsáveis ​​por 37% e 33%, respectivamente.

De acordo com a consultoria, até 2024, as organizações serão forçadas a apresentar planos de transformação de negócios digitais em pelo menos cinco anos. E esses planos terão que se adaptar a um mundo pós-COVID-19 que envolve uma adoção permanentemente maior de trabalho remoto e pontos de contato digitais.

Este plano estratégico de longo prazo vai requer investimento permanente tecnologias estratégicas como hiperautomação, IA e tecnologias de colaboração. As ferramentas sociais e de colaboração continuarão sendo “obrigatórias”, o que levará o mercado mundial de software social e receita de colaboração a aumentar 17,1% em 2021, comparado a 2020, totalizando US $ 4,5 bilhões.

Impacto sobre como a TI será adquirida e usada

Muitas organizações tiveram que mudar e adaptar suas abordagens de TI para suportar esse aumento da força de trabalho remota e garantir a continuidade dos negócios. Nos próximos anos, esse movimento se intensificará ainda mais, já que os ambientes de trabalho serão mais híbridos ou totalmente remotos.

A força de trabalho híbrida continuará a aumentar a demanda por PCs e tablets. Em 2021, as remessas de PCs e tablets ultrapassarão 500 milhões de unidades pela primeira vez na história, destacando a demanda nos mercados de negócios e de consumo.

As organizações também implantaram a nuvem para habilitar funcionários remotos rapidamente. O Gartner prevê que os gastos do usuário final em todo o mundo em serviços de nuvem pública crescerão 23,1% em 2021, à medida que os CIOs e líderes de TI continuarem a priorizar o modelo software como serviço (SaaS). Os aplicativos nativos da nuvem apresentam lacunas de visibilidade, criando desafios de monitoramento e gerenciamento.

Isso fará com que, em 2024, pelo menos 40% de todo acesso remoto sejam servidos predominantemente por acessos de rede de confiança zero (ZTNA), contra menos de 5% no final de 2020. Não por acaso, os gastos mundiais com segurança da informação e tecnologia e serviços de gerenciamento de risco deverão crescer 12,4% para chegar a US $ 150,4 bilhões em 2021, de acordo com a última previsão da consultoria.

Para combater os ataques, as organizações irão estender e padronizar as atividades de monitoramento para detecção e resposta a ameaças. “As organizações continuam a lidar com as demandas regulatórias e de segurança da nuvem pública e do software como serviço”, disse Lawrence Pingree, vice-presidente de gerenciamento de pesquisa do Gartner. “Olhando para o futuro, estamos vendo os primeiros sinais do mercado de automação crescente e maior adoção de tecnologias de aprendizado de máquina em suporte à segurança”, completa.

As falhas de controle da cibersegurança foram listadas como o principal risco emergente por lideranças ouvidas pela consultoria no primeiro trimestre desse ano. “Muitas organizações foram forçadas a implementar soluções rápidas para lacunas operacionais sérias como resultado de suas respostas iniciais à pandemia”, explicou Matt Shinkman, vice-presidente da Gartner Risk and Audit Practice. “Em nenhum lugar isso foi mais aparente do que nas políticas de segurança cibernética que priorizaram a segurança local em vez do acesso seguro ao trabalho remoto. Os executivos responsáveis ​​por essas áreas estão percebendo que o momento de implementar políticas mais sustentáveis ​​e robustas chegou.”

A tendência é pela adoção crescente da abordagem de Cybersecurity Mesh. Ou seja, uma abordagem arquitetônica distribuída para controle de segurança cibernética escalável, flexível e confiável, que consiste em implantar controles onde eles são mais necessários. Com muitos ativos de TI agora fora dos perímetros corporativos tradicionais, uma arquitetura de malha de segurança cibernética permitirá que as organizações estendam os controles de segurança aos ativos distribuídos. O conceito reconhece que as redes não têm limites físicos. As organizações precisam construir um perímetro de segurança em torno de cada usuário individual, permitindo que eles acessem os ativos com segurança de qualquer local e dispositivo.

Gestão de autenticação e acesso será crucial

Ao garantir que cada nó tenha seu próprio perímetro, isso permitirá que os gerentes de rede de TI mantenham e acompanhem melhor os níveis diferenciados de acesso a diferentes partes de uma determinada rede e evitem que hackers explorem a fraqueza de um determinado nó.

De acordo com o Gartner:

  • A malha de segurança cibernética suportará mais de 50 % das solicitações de IAM: hoje, a maioria dos ativos digitais, identidades e dispositivos estão fora da empresa, o que complica os modelos tradicionais de segurança. Quando se trata de solicitações de IAM, o Gartner prevê que a malha de segurança cibernética suportará a maioria das solicitações de IAM e permitirá um modelo de gerenciamento de acesso unificado mais explícito, móvel e adaptável. Com o modelo mesh, as empresas obtêm uma abordagem mais integrada, escalável, flexível e confiável para pontos de acesso e controle de ativos digitais do que a proteção de perímetro de segurança tradicional.

  • A entrega de serviços de IAM levará a um aumento no número de provedores de serviços gerenciados (MSP), complementados por ferramentas de monitoramento, e de provedores de serviços de segurança gerenciados (MSSP)s. Até 2023, 40% da convergência de aplicativos IAM será impulsionada por MSSPs.

  •  Ferramentas de prova de identidade serão adicionadas ao ciclo de vida da identidade da força de trabalho: procedimentos de registro e recuperação mais robustos são urgentemente necessários, graças ao grande aumento nas interações remotas, que tornam mais difícil diferenciar entre invasores e usuários legítimos, mesmo com o uso de poderosas ferramentas de monitoramento. O Gartner afirma que até 2024, 30 por cento das grandes empresas irão implementar novas ferramentas de prova de identidade para lidar com as fraquezas comuns nos processos do ciclo de vida de identidade da força de trabalho.

  •  Surgem padrões de identidade descentralizados: abordagens centralizadas para gerenciar dados de identidade tornam mais difícil fornecer privacidade, garantia e pseudonimato. Com a abordagem descentralizada potencializada pelo modelo de malha, a tecnologia blockchain garante privacidade e permite que os indivíduos validem as solicitações de informações, fornecendo ao solicitante apenas a quantidade mínima necessária de informações. Em 2024, o Gartner prevê que um verdadeiro padrão de identidade global, portátil e descentralizado surgirá no mercado para tratar de casos de uso de negócios, pessoais, sociais e sociais e de identidade invisível.

  • O enviesamento demográfico na prova de identidade será minimizado: mais empresas estão interessadas em abordagens centradas em documentos para prova de identidade. O surgimento do trabalho remoto em 2020 chamou a atenção para as muitas maneiras pelas quais o preconceito em relação a raça, gênero e outras características pode ocorrer em casos de uso online. Portanto, até 2022, 95 por cento das organizações exigirão que os fornecedores de prova de identidade provem que estão minimizando o preconceito demográfico.
FacebookTwitterLinkedIn