FacebookTwitterLinkedIn

Saúde digital também requer cuidados

https://network-king.net/wp-content/uploads/2021/09/digitalhealth56-769x414.jpg

O mercado global de saúde digital vive um boom: com crescimento espetacular, pode chegar a US $ 660 bilhões até 2025. Os investidores despejaram uma quantidade sem precedentes de dinheiro no setor em 2020, ano de financiamento recorde para startups daa área. Entre os 399 executivos de saúde ouvidos em um estudo recente da Accenture, 81% disseram que o ritmo de transformação digital de suas organizações está acelerando.

Um segmento que tem crescido muito é o da terapêutica digital (DTx), definida Digital Therapeutics Alliance como “nova categoria de medicina”, caracterizada pela entrega intervenções médicas diretamente aos pacientes usando dispositivos vestíveis, sensores e software baseado em evidências para tratar, gerenciar e prevenir um amplo espectro de doenças e distúrbios.

Para acompanhar as mudanças e o próprio mercado de saúde digital, a equipe do The Medical Futurist decidiu colocar as empresas mais importantes em um infográfico gigante. Ele aponta as TOP100 empresas digitais de saúde em 2021, segundo a entidade.

Fonte: The Medical Futurist

Todos os participantes dos sistemas de saúde podem se beneficiar das contribuições da saúde digital – para melhorar os resultados, aumentar a conveniência do paciente e reduzir os custos – mas ainda há muito trabalho a ser feito para levar a saúde digital ao mainstream.

Privacidade e segurança

É claro que, considerando que os DTx são opções totalmente digitais, eles trazem consigo uma infinidade de questões relevantes de privacidade e segurança. Essas tecnologias manipularão cada vez mais dados confidenciais e se tornarão vítimas de terceiros mal-intencionados. Como tal, seu design e aplicações clínicas devem levar em consideração essas questões e reforçar as medidas de segurança cibernética, tanto quanto outros serviços de monitoramento de saúde, locais, dentro das instituições médicas, e remotos.

Os hospitais modernos são altamente digitalizados. A disponibilidade dos dados do paciente está no centro desta digitalização. Os sistemas tradicionais de TI e a TI médica trabalham juntos de maneira integrada e exigem uma solução de monitoramento central. 

Já os sistemas de monitoramento remoto de saúde, por exemplo, têm se tornado cada vez mais uma solução confiável para fornecer serviços de saúde personalizados, menos intrusivos e amigáveis ​​ao paciente.

Como acontece com todas as soluções de tecnologia, uma avaliação de risco ponta a ponta deve ser realizada levando em consideração as características, configurações e variações específicas que cada organização ou operação apresenta, embora haja muito em comum entre elas.

Tecnicamente, qualquer desses sistemas de monitoramento de saúde tem quatro camadas:

  1. Camada sensível: esta camada é responsável por ler as informações do paciente. Por exemplo, é possível programá-lo de forma que um médico possa rastrear a localização geográfica do paciente (importante para pacientes com amnésia), bem como a pressão arterial e os níveis de açúcar.
  2. Camada de rede: Após o recebimento das informações do paciente, é necessário transferi-las. É aí que entra a camada de rede. Esta parte é responsável pela rápida transferência de dados do dispositivo do paciente para o médico. Todos os dispositivos médicos requerem uma infraestrutura de TI clássica para comunicação. Essa infraestrutura cuida da transferência de dados e fornece o hardware para a rede do sistema. São necessários cabos, switches, servidores e sistemas de armazenamento, bem como WIFI e seus pontos de acesso.  Portanto, para garantir segurança e privacidade os dispositivos e sistemas médicos requerem monitoramento de TI abrangente. Disponibilidade de dispositivos, transferência de dados e desempenho de aplicativos devem ser mantidos sob observação contínua. 
  3. Camada de processamento de dados: nesta fase, ocorre a análise das informações. O sistema pode tirar uma conclusão rápida sobre a condição de um paciente, porque é alimentado por IA, e notificar rapidamente um médico se o paciente precisar de ajuda imediata. Além disso, com a inteligência artificial embutida no HMS, é possível fazer previsões de que um paciente pode piorar, mesmo que tudo pareça normal.
  4. Camada de aplicativo: após o processamento dos dados, o médico recebe uma mensagem em um aplicativo instalado em seu smartphone, tablet ou PC. Ao saber de tudo o que está acontecendo com o paciente, o médico pode tomar uma decisão informada sobre o tratamento futuro, permitindo que o paciente volte para casa ou altere o curso do tratamento, se necessário. Além disso, o sistema de monitoramento de saúde mais avançado pode ser alimentado por aprendizado de máquina profundo, para que o médico também possa receber sugestões baseadas em IA sobre o diagnóstico e o curso de ação a ser executado.

Por muito tempo, as instituições e autoridades de saúde protegeram nossos dados de saúde. Protegidas como registros físicos e em sistemas de TI, essas informações médicas nem mesmo estavam acessíveis para nós. Com a digitalização da área de saúde, essas autoridades têm que se dobrar no gerenciamento seguro de dados confidenciais, um vez que a saúde está cada vez mais mudando da clínica para a casa, onde as pessoas são tratadas por meio de serviços de telessaúde e monitoradas quanto a sinais e sintomas com a ajuda de smartwatches, aplicativos e outras tecnologias que podem ser conectadas a uma rede sem fio e / ou podem aplicar algoritmos aos dados obtidos. Essas autoridades de saaúde estão à altura da tarefa? 

A informação médica já está entre os itens mais valiosos do mercado negro. Ele permite que os falsificadores registrem reivindicações de seguro falsas e até mesmo comprem equipamentos médicos ilegalmente. Esta valiosa mercadoria está levando a um aumento da incidência de registros de saúde comprometidos. As previsões indicam que a quantidade de dados digitais em 2025 será de 175 zetabytes ou 175 trilhões de gigabytes. E a contribuição das ferramentas digitais de saúde para esse bloco muito significativo de dados não é desprezível.

Os sistemas de hoje são mais complexos do que há dez anos e têm muitos componentes novos. Da mesma forma, mais processos estão sendo executados em um computador típico do que nunca. Para garantir uma operação suave, é preciso verificar continuamente os parâmetros de operação do seu equipamento, para que possa responder de forma proativa.

É por isso que as ferramentas de monitoramento do sistema se tornaram uma necessidade. Eles permitem que os administradores gastem seu tempo em tarefas mais produtivas e gratificantes enquanto a ferramenta monitora o sistema e alerta o administrador quando algo está errado, geralmente antes que se torne um problema real. Isso dá ao administrador tempo suficiente para reagir e corrigir o problema. Sobretudo aadministradores de sistemas de saúde digital.

FacebookTwitterLinkedIn