FacebookTwitterLinkedIn

Samsung cria ‘Stretchable’ Devices para monitoramento cardíaco

https://network-king.net/wp-content/uploads/2021/06/samsung45-769x414.jpg

O Samsung Advanced Institute of Technology (SAIT) está avançando na direção de displays flexíveis que, como elásticos, podem ser esticadas em todas as direções para mudar suas formas. As primeiras aplicações desse novo tipo de material devem ser na área de saúde, com monitores cardíacos, segundo artigo publicado no início de junho no jornal Science Advances. A nova tecnologia tem potencial para superar as limitações dos atuais adesivos extensíveis.

O grupo de pesquisa da Samsung afirma ter sido capaz de integrar uma tela de LED orgânico (OLED) extensível e um sensor (PPG) em um único dispositivo para medir e apresentar a frequência cardíaca em tempo real, criando uma ‘pele eletrônica extensível’. Segundo a Samsung, o sucesso dessa fase inicial da pesquisa também demonstra a viabilidade de uso em outras aplicações.

“A vantagem dos Stretchable Devices é sua capacidade de medir dados biométricos por um período mais longo sem que o adesivo precise ser removido quando o usuário dorme ou se exercita. Além disso, os dados biométricos ficam visíveis na tela, portanto não é preciso transferi-los para um dispositivo externo”, explica o pesquisador Youngjun Yun, autor do artigo.

O sensor extensível permite fazer medições contínuas dos batimentos cardíacos com um alto grau de sensibilidade em comparação com os atuais modelos vestíveis, pois possui melhor adesão à pele, o que minimiza inconsistências de desempenho causadas pelo movimento.

Fonte: Samsung

O principal avanço conquistado pelos pesquisadores foi modificar a composição e a estrutura do elastômero e usar os atuais processos de fabricação de semicondutores com os substratos de telas OLED extensíveis e sensores ópticos dos fluxo sanguíneo. Com isso, foi possível garantir o funcionamento normal da tela e dos sensores mesmo com um alongamento de até 30%.

O elastômero é um material avançado com alta elasticidade e resiliência, mas é vulnerável ao calor, o que limita a possibilidade de ser usado pelos atuais processos de fabricação de semicondutores. Para superar esse obstáculo, os pesquisadores da Samsung reforçaram a resistência térmica do material, adaptando sua composição molecular. Do outro lado, também integraram quimicamente certas cadeias de moléculas para aumentar a resistência dos materiais usados na manufatura dos semicondutores.

FacebookTwitterLinkedIn