FacebookTwitterLinkedIn

Mercado de tecnologias para smart cities será de US$ 820,7 bi em 2025

https://network-king.net/wp-content/uploads/2021/06/smartcities2037-769x414.jpg

À medida que as cidades ficam mais inteligentes, elas se tornam mais habitáveis ​​e mais responsivas – e hoje estamos vendo apenas uma prévia do que a tecnologia pode eventualmente fazer no ambiente urbano. Dois estudos recentes descrevem as perspectivas desse mercado para os próximos anos.

Nas projeções da Markets & Markets, o mercado global de cidades inteligentes deve crescer de US $ 410,8 bilhões em 2020 para US $ 820,7 bilhões em 2025, a uma taxa composta de crescimento anual (CAGR) de 14,8%. Na opinião dos analistas da empresa, o maior impulsionador será a área de Segurança Pública. Tecnologias como vigilância por vídeo, fenotipagem de DNA e placa de carro em tempo real e reconhecimento facial são amplamente utilizadas pelas polícias para garantir a segurança dos cidadãos.

Fonte: Markets & Markets

De acordo com a Market & Markets os fornecedores de tecnologia de cidades inteligentes podem contar com adoção constante de soluções para várias áreas, como transporte inteligente (responsável pela maior fatia desse mercado em 2020), serviços públicos inteligentes, edifícios inteligentes e serviços inteligentes para os cidadãos. A necessidade de soluções de cidades inteligentes inovadoras, que podem ser efetivamente combinadas com IoT, Big Data, Analytics, cloud, segurança e conectividade de rede, estão aumentando nessas áreas de aplicação. 

Privacidade e segurança são as principais áreas de preocupação em projetos de cidades inteligentes. Como o ecossistema depende principalmente da IoT e de pontos de acesso centrais para dados diversos, a vulnerabilidade de todo o ecossistema é alta. Para resolver os desafios de privacidade e segurança em cidades inteligentes, as partes interessadas (profissionais de segurança e planejadores de cidades inteligentes) devem abordar os problemas de forma holística para garantir que os desafios não continuem afetando o resto da rede inteligente.

Um outro estudo traçou um panorama das cinco principais tecnologias usadas em cidades inteligentes: iluminação pública, estacionamento, coleta de lixo, monitoramento da qualidade do ar e vigilância.

Segundo a Bern Insight, alguns números encontrados pela pesquisa no final de 2020 considerando a base global instalada (excluindo a China) são:

  • Iluminação de vias controlada individualmente: 13,0 milhões de unidades;
  • Sensores de estacionamento: 957 mil unidades (sensores de detecção de ocupação no solo ou montados na superfície);
  • Sensores de coleta de resíduos: 657 mil pontos (sensores do nível de preenchimento pré-integrados em caixas e contêineres ou adaptados em pontos de coleta existentes);
  • Sistemas de monitoramento da qualidade do ar: 73 mil unidades;
  • Equipamentos de vigilância de cidades inteligentes: Mercado avaliado em € 9,9 bilhões.

De acordo com o estudo, o mercado de iluminação pública inteligente deve ganhar fôlego e ampliar sua base instalada a uma expressiva taxa anual de crescimento composta de 23,4%, totalizando 37,4 milhões de unidades em 2025. Já o setor de sensores de estacionamento inteligentes deve apresentar um crescimento um pouco menor de 21,6%, enquanto o segmento de tecnologias de sensores de coleta de resíduos terá o crescimento mais elevado dos três, com uma taxa de 29,8%.

A tecnologia que está ganhando espaço mais recentemente é a de monitoramento não regulamentar da qualidade do ar das cidades, com dispositivos cada vez menores e de mais baixo custo, que podem servir como complementos para as atuais estações de monitoramento oficiais. O número desse tipo de sensores deve chegar a 315 mil unidades em 2025, com uma taxa de crescimento de 34%, segundo o estudo. Razões destacadas pela pesquisa para o interesse crescente por esse tipo de solução foram as notícias sobre possíveis relações entre a poluição do ar e a Covid-19, bem como sobre as temporadas recordes de incêndios florestais nos Estados Unidos e na Austrália. O estudo também ressalta que ainda não há normas nem certificações para os dispositivos de monitoramento não regulamentar da qualidade do ar.

A maior das cinco áreas tecnológicas para cidades inteligentes segue sendo a de soluções de vigilância, com sistemas de áudio e vídeo fixos e móveis. O mercado global deve crescer a uma taxa de 19,7% no período avaliado pelo estudo.

FacebookTwitterLinkedIn