FacebookTwitterLinkedIn

Las Vegas aposta em Digital Twins

https://network-king.net/wp-content/uploads/2021/10/lasvegas40-769x414.jpg

Las Vegas, nos Estados Unidos,  vai usar as tecnologias de Digital Twins e IoT (Internet das coisas) para ajudar a cidade a zerar as emissões de carbono. Além disso, o projeto contribuirá para melhorar as condições de mobilidade, qualidade do ar e gerenciamento dos recursos  hídricos e para reduzir a poluição sonora de uma grande parte da região central da cidade.

“Digital Twins estão se tornando vitais para a administração das cidades. Essa tecnologia nos dará novos insights e níveis de controle que vão beneficiar planejadores urbanos, residentes e empresas. Estamos estabelecendo uma referência para cidades em todo o mundo que desejam se tornar mais inteligentes, eficientes, seguras e sustentáveis”, afirma Michael Sherwood, diretor tecnológicos de Las Vegas.

Seguindo o exemplo de Nova York, Las Vegas é a segunda cidade a participar da iniciativa Clean Cities – Clean Future , da empresa Cityzenith, especializada em Digital Twins. Phoenix e outras cidades norte-americanas devem ir pelo mesmo caminho em breve. Segundo essa iniciativa, as cidades contribuem significativamente para as emissões mundiais de carbono . Por isso, a Cityzenith decidiu desenvolver a plataforma SmartWorldOS que agrega várias fontes de dados para ajudar os responsáveis pela tomada de decisão a fazer as escolhas certas na gestão das cidades.

A empresa Terbine, parceira do projeto, vai reunir e contextualizar dados vindos da IoT de agências governamentais, empresas de administração de edifícios, sistemas de transporte, fabricantes de veículos, entre outros agentes, para abastecer o sistema de Digital Twins.

Projeto-piloto em Nova York

Em Nova York, a Cityzenith está desenvolvendo gêmeos digitais para um grupo de edifícios, sistemas e infraestrutura no Estaleiro da Marinha no Brooklyn. O projeto incluirá um edifício e um armazém com um milhão de metros quadrados que foi recentemente reformado para uso comercial.

A plataforma SmartWorldOS será usada para desenvolver e gerenciar projetos de construção complexos  e dar aos planejadores urbanos acesso a mais de um bilhão de camadas de dados inteligentes geomarcados e ferramentas de anotação e visualização para aplicação em análise e geração de relatórios.

O objetivo do projeto é reduzir o impacto ambiente das fontes de energia. Tal redução será alcançada por meio de reformas em busca de edifícios verdes. De acordo com Michael Jansen, fundador e CEO da Cityzenith, o investimento de 10 centavos de dólar em retrofits renderá de US$ 3 a US$ 5 em economia, sendo que os dividendos deverão chegar em até cinco anos.

“Hoje, muitos proprietários de edifícios recorrem a serviços de retrofit que exigem mão de obra cara e não estão livres de riscos. O projeto de Digital Twins no Estaleiro da Marinha no Brooklyn busca automatizar esses serviços com uma única solução fácil de usar, abrangente, precisa e econômica”, explica Jansen.

Segundo o executivo, a capacidade tecnológica dos Digital Twins agrega, apresenta e analisa  dados espaciais (3D) e temporais e correlaciona eficiências entre vários sistemas, fornecendo uma solução de engenharia de construção otimizada e que faz sentido financeiro. “Isso é o que o mercado precisa há muito tempo – uma calculadora de construção ecológica que qualquer imóvel pode usar facilmente”, conclui.

Tendência mundial

O uso de Digital Twins no contexto da administração urbana está ganhando força em nível mundial. De acordo com um relatório da ABI Research, espera-se que as cidades conquistem uma economia de custos de US$ 280 bilhões até 2030 usando essa tecnologia no planejamento urbano.

“A economia de custos pode ser obtida em áreas como serviços públicos, energia, transporte, proteção e segurança e infraestrutura, incluindo estradas e edifícios. No entanto, Digital Twins para cidades também oferecem outras vantagens em termos de sustentabilidade, circularidade, descarbonização e a qualidade da vida urbana”, destaca Dominique Bonte, vice-presidente de mercados da ABI Research.

Entendendo a tecnologia

Digital Twin nada mais é do que uma cópia digital de produtos, processos ou equipamentos, desenvolvidos para se comportar da mesma maneira que seu correspondente real.

As empresas de manufatura têm usado cada vez mais aa tecnologia para acelerar as iniciativas de transformação digital e o desenvolvimento de produtos.A ideia existe desde 2002, quando foi cunhada por Michael Grieves, então professor da Universidade de Detroit, para descrever uma nova maneira de pensar sobre a coordenação do gerenciamento do ciclo de vida do produto. O conceito tropeçou por muitos anos, devido aos limites em torno da integração de processos e dados nas equipes de engenharia, manufatura e qualidade. Mas começou a ganhar força, graças a melhorias na integração de dados, IA e IoT, que estendem os benefícios dos esforços de transformação digital para o mundo físico.

Entre os benefícios da nova tecnologia, estão: a redução de custos e de tempo de produção; previsão e correção de falhas em equipamentos e produtos; melhoria no treinamento de profissionais; eficiência nos processos internos da empresa; impacto na produtividade e nos resultados; além da capacidade de evitar acidentes e mitigar suas consequências, melhorando a segurança de equipamentos.

Eles podem transformar um local de trabalho obsoleto em um ambiente dinâmico, moderno e contínuo, reunindo informações e dados de várias fontes diferentes e produzindo um modelo contextual, que pode ser usado para otimizar as condições e permitir que os funcionários interajam com seus espaços.

Por tudo isso, osDigital Twins desempenham papel fundamental na melhoria das operações das empresas de diferentes setores e, cada vez mais, das administrações públicas, já que permitem que testem diferentes cenários, várias vezes, até que o desempenho ideal seja alcançado, tanto para as circunstâncias atuais quanto para as futuras.

Desde parques eólicos à modernização da agricultura, teste de smartphones e melhoria de serviços públicos, não há realmente nenhum limite para o uso de gêmeos digitais.

Não por acaso, a Accenture posicionou os gêmeos digitais como uma das cinco principais tendências tecnológicas estratégicas a serem observadas em 2021.

FacebookTwitterLinkedIn