FacebookTwitterLinkedIn

IIoT, um dos motores mais relevantes da IoT

https://network-king.net/wp-content/uploads/2021/09/IIoT36-769x414.jpeg

O setor industrial é um dos mais relevantes entre os que estão impulsionando o mercado da Internet das Coisas (IoT).  A chamada Internet das Coisas Industrial, ou IIoT, na sigla em inglês, tem grande potencial para proporcionar uma ampla gama de benefícios às organizações fabris por meio do monitoramento em tempo real e da análise de dados, levando a possíveis cortes de custos e aumento de lucros. E novos casos de uso devem ser impulsionados por arquiteturas de edge computing/nuvem e redes 5G, segundo uma pesquisa da Reply.

Além da maior produtividade e do melhor controle de qualidade, uma área de melhoria particularmente interessante tem sido a manufatura aditiva, que conta com a parceria entre IIoT e Inteligência Artifical para reduzir desperdício de materiais e consumir menos energia. Além disso, a IloT está desafiando o sistema de automação SCADA (Controle de Supervisão e Aquisição de Dados), que usa monitora os equipamentos das fábrica 24 horas por dia, 7 dias por semana. Ainda que a contribuição do tenha sido muito relevante na revolução da Indústria 4.0, pode apresentar limitações quando se trata de se conectar ao um ecossistema mais abrangente, essencial para o atual mundo dos negócios. Visto de outro ângulo, podemos dizer que os dados gerados pelos sistemas SCADA, concentrados no monitoramento e no controle, atuarão como fonte de dados para o IIoT que, por sua vez, se concentrará na análise dos dados granulares das máquinas para melhorar a produtividade e reduzir custos.

A IloT já é um enorme mercado, com crescimento consistente esperado na região da Ásia-Pacífico e em países importantes, como Estados Unidos e Alemanha. Segundo  o estudo da Reply, ainda que o número de dispositivos loT de consumo seja maior do que os industriais atualmente, os investimentos em IloT industrial estão crescendo rapidamente com soluções para diversos setores.

A pesquisa abordou especificamente duas áreas principais que estão alavancando o crescimento da IIoT – Fábricas Inteligentes e Transporte & Logística Inteligentes – em dois grandes grupos: Big-5 (Estados Unidos, China, Índia, Brasil e Reino Unido) e Europe-5 (Alemanha, Itália, França, Bélgica e Holanda).

Apesar da retração econômica decorrente da pandemia em 2020, nos dois grandes grupos foi registrado um pequeno crescimento nos investimentos em Fábricas Inteligentes. Até 2025, China e EUA serão os dois líderes nesse segmento no grupo Big-5, com investimentos principalmente em plataformas, mas também em soluções preditivas e monitoramento remoto. Em Transporte & Logística Inteligentes, o Brasil perdeu muito espaço durante a pandemia, mas agora está se recuperando; o maior crescimento deve ser na Índia.

No grupo Europe-5, por outro lado, a expectativa é que o mercado de Fábricas Inteligentes quase triplique em todos os países, apesar da escassez de competências. A área de plataformas deve ser a que mais crescerá, e as empresas terão como objetivo investir para gerenciar melhor a qualidade e reduzir custos. A Alemanha também vai liderar na área de Transporte & Logística Inteligentes, sendo que os demais países também terão um crescimento significativo.

O mercado de Fábricas Inteligentes em ambos os grupos deve triplicar entre 2020 e 2025, com Europe-5 atingindo mais de €23 bilhões e Big-5, mais de €86 bilhões. Enquanto a área de Fábricas Inteligentes tenha reagido bem durante a pandemia, o segmento de Transporte & Logística Inteligentes sofreu um pouco mais. O grupo Big-5 até manteve o nível de negócios graças à recuperação na China, mas Europe-5 teve uma queda de 2%. No entanto, os dois grupos terão um crescimento rápido até 2025: o mercado de Big-5 ultrapassará a marca de €15 bilhões (o triplo em comparação a 2020), e Europe-5 chegará a €3,6 bilhões (em comparação com €1,4 bilhões em 2020).

Edge computing e 5G como motores da IIoT

Dados são o motor de todos os casos de uso ‘inteligentes’ no universo industrial. E é a IIoT que fornece a infraestrutura necessária para coletá-los e transmiti-los para a nuvem. De outro lado, a edge computing pode dar sua contribuição para aprimorar e agilizar esse cenário, com uma IloT “local” que permite elaborar dados na própria fábrica e apenas eventualmente transportá-los para outras localidades para processamento.

De acordo com o estudo da Reply, essa nova abordagem pode ajudar a elevar substancialmente os níveis de adoção do lIoT em comparação com o ambiente em que se coletam dados de dispositivos loT industriais para uso frequente em nível organizacional e não no chão de fábrica. Além disso,  a adoção de sensores de baixo custo e de redes 5G pode melhorar ainda mais a difusão da IloT.

Por exemplo, usando modelos operacionais baseados em edge computing e redes 5G redes, fábricas inteligentes poderão aprimorar a comunicação entre maquinários, veículos e robôs, dispondo de maior poder computacional e baixíssima latência. Isso não só melhorará a eficiência das plantas, mas também a segurança. Além disso, será possível criptografar dados localmente, facilitando o cumprimento de legislações, como as de privacidade de dados e proteção de propriedade intelectual e  industrial.

Gestores preocupados com a confiabilidade das redes 3G e 4G poderão criar redes privadas, inclusive em áreas rurais onde normalmente nem existem redes móveis públicas, e contar com taxas de transferência de dados até vintes vezes maior que a proporcionadas pelo 4G. Essas redes privadas também permitirão implantar um número enorme de sensores (até 10 dispositivos/m2), que acabará por gerar mais dados com potencial para enriquecer os processos industriais.

Compromisso com a segurança

A adoção mais ampla da IloT vai exigir uma melhor definição das responsabilidades de gerentes de TI, gerentes de OT e gerentes de cibersegurança a fim de identificar e combater a vasta quantidade de ameaças que estão afetando o setor industrial, como as de negação de serviços, adulteração de dados, falsificação de identidades e ataques ransomware.

Cibersegurança para loT é um mercado enorme que deve atingir até €25 bilhões de euros nos próximos cinco anos, segundo o estudo. O uso da loT em contextos industriais será uma parte relevante desse mercado, pois um único dispositivo comprometido pode paralisar uma cadeia de produção inteira. Em alguns casos, garantir a segurança se resume a identificar e rastrear dispositivos nos sistemas, mas em níveis mais avançados, ativos na IIoT podem até usar protocolos de verificação de integridade criptografados.

O setor industrial precisa de uma arquitetura holística de segurança para IloT para melhorar a resiliência de seus ambientes de produção e TIC. A visibilidade sobre os ativos industriais e a detecção precoce dos problemas de segurança garantirão a capacidade de reagir rapidamente mitigar os riscos de paralisação da produção.

A Reply acredita que as organizações devem ter ambientes microssegmentados estáveis e mantidos tanto on-premise quanto na nuvem para reagir às novos e tradicionais ameaças cibernéticas e reduzir a probabilidade de serem atingidas por ataques bem-sucedidos.

FacebookTwitterLinkedIn