IIoT desafia OEMs de maquinário industrial

https://network-king.net/wp-content/uploads/2022/11/IIoT31092-769x414.jpg

Antes da pandemia de COVID-19, muitas empresas viam a digitalização e a Internet das Coisas (IoT) como uma estratégia opcional a ser seguida. Agora, há uma urgência sem precedentes de algumas para acelerar a jornada de digitalização e conectar equipamentos à IoT industrial para permanecerem competitivas.

Antes da pandemia, 86% das empresas com conectividade IoT industrial observaram um aumento nos lucros apenas monitorando e otimizando suas máquinas, e 35% indicaram que os lucros aumentaram significativamente.  Essas economias, juntamente com a capacidade de se ajustar rapidamente aos desafios da pandemia, provavelmente deram, e continuam a dar a elas uma vantagem competitiva.

À medida que o mundo começa a enfrentar desafios mais imprevisíveis – pandemias, eventos climáticos ou mudanças nas condições econômicas – a necessidade de fábricas inteligentes aumenta exponencialmente. Ser ágil e preparado será a diferença entre o sucesso e o fracasso.

Portanto, para manter o sucesso hoje e no futuro, a adoção rápida de IIoT é  a expectativa, não a exceção. Com fábricas e produtos adaptáveis e automatizados, reduzir e aumentar a produção pode ser feito com eficiência, com menos trabalhadores presentes,  máquinas mais saudáveis, menos manutenção inesperada e taxas de produtividade mais altas.

Isso tem mexido, sobretudo, com o mercado de fornecedores em OEM, segundo o estudo “Digitalization and IoT’s role in revolutionizing industrial machinery”, da Siemens.

Os OEMs têm enfrentado muitos desafios ao tentar implementar uma nova estratégia de digitalização. Embora o custo seja um fator enorme a ser considerado, a mudança tecnológica tem pesado. Em um estudo recente da empresa de pesquisa Tech Clarity, 36% dos OEMS pesquisados disseram que a “resistência à mudança” estava inibindo a adoção da digitalização. Outro motivo? O legado: 30% dos OEMs disseram que seus equipamentos são muito antigos para serem digitalizados com os padrões atuais.

Os poucos OEMs que foram equipados com soluções de IoT industrial e digitalização conseguiram dinamizar rapidamente suas ofertas para continuar fazendo negócios com eficiência e atender às crescentes demandas dos clientes. 

Através da incorporação de tecnologia IIoT nas máquinas dos OEMs, é possível fazer a identificação de problemas remotamente, alterar os parâmetros operacionais e verificar o funcionamento com um controlo de supervisão que permite evitar potenciais problemas. Os OEMs podem aconselhar os engenheiros e responsáveis operacionais no terreno sobre as melhores medidas para remediar um problema ou melhorar o desempenho.

Estudo da Deloitte aponta uma área onde os OEMs devem se concentrar para prosperar nesse universo IIoT: EaaS (Equipment-as-a-Service), que está deixando de ser uma alternativa de nicho para também se tornar um imperativo estratégico.

EaaS é uma prática de negócios em que equipamentos, máquinas e / ou sistemas de produção são oferecidos por um OEM por meio de um modelo variável de consumo ou uso. o modelo de compra tradicional. “Em vez de os clientes comprarem a máquina diretamente em uma única transação, eles pagam apenas com base em outros fatores, como consumo ou uso. Os OEM ou parceiros de financiamento terceiros mantêm a propriedade e, como tal, absorvem a responsabilidade de fornecer ou gerir serviços de manutenção, reparações e substituições de peças”, explica Krishna Yarramasu, da relayr, uma das líderes globais no campo da EaaS.

Forças motrizes para modelos EaaS
Fonte: Deloitte

Cada ator no diagrama acima aporta um conjunto exclusivo de recursos para a mesa, todos essenciais para uma oferta de EaaS – e cada um deles tem seu próprio incentivo para participar. Os OEMs precisam ser muito cuidadosos sobre quais elementos do modelo EaaS pretendem desenvolver internamente (o que consome tempo e esforço valiosos) e quais planejam fornecer em colaboração com parceiros externos (que em muitos casos pode ser o única opção viável).

“EaaS é um modelo de negócios fundamental para o futuro e nos levará ao próximo estágio da Indústria 4.0”, explica Oliver Bendig, consultor da Deloitte na Alemanha. “Tecnologias como IA, blockchain e processamento de informações com sistemas de aprendizado ajudarão a tornar o processo de fabricação mais eficiente e garantir que os produtos
permaneçam competitivos”. Não apenas aumenta a receita recorrente, mas também abre as portas para mais oportunidades de negócios, completa Carly Cohen, da Siemens

Os modelos EaaS estão preparados para mudar fundamentalmente a maneira como os fabricantes de equipamentos industriais fazem negócios. Embora possam não ser adequados para todos os segmentos e categorias de ativos (por exemplo, aqueles com alta personalização e baixos volumes), esses modelos oferecem grande potencial de crescimento em muitos domínios (por exemplo, aqueles com baixa personalização e altos volumes). Para aproveitar essa oportunidade inexplorada, de acordo com a Deloitte, os OEMs precisam responder a três perguntas, rapidamente:

1 – Qual é exatamente a nossa situação atual globalmente?

2 – Quais são nossas ambições de EaaS para os próximos 36 meses?

3 – O que definimos como prioridades e como podemos acelerar a operacionalização?

FacebookTwitterLinkedIn