Faça de 2023 o ano da automação

https://network-king.net/wp-content/uploads/2023/01/ITautomaation554-769x420.jpg

Em 2023, veremos uma evolução adicional nas demandas do CIO para fazer várias coisas bem, simultaneamente. Isso inclui entender o negócio, criar valor, aumentar a produtividade, inovar, manter altos níveis de segurança e gerenciar uma grande organização. Além da tradicional redução de custos, a pressão será também por uma TI mais enxuta, rápida e melhor.

Em alguns casos, obter esses ganhos será direto. Os últimos anos levaram a custos descontrolados que são relativamente fáceis de cortar. As migrações para a nuvem sem atenção suficiente ao gerenciamento de custos são apenas um exemplo típico. Mas a oportunidade e o foco principal do CIO devem ser automatizar o fim do desperdício.

Qualquer tarefa de TI pode ser automatizada de alguma forma. Portanto, a automação pode ser integrada e aplicada a praticamente tudo, desde a automação de rede à infraestrutura e ao provisionamento de nuvem. O Gartner, por exemplo, prevê que, até 2025, 70% das organizações complementarão a entrega contínua de aplicativos com automação contínua de infraestrutura para melhorar a agilidade dos negócios.

Um dos pilares da automação de TI é um bom monitoramento. E ele também pode ser automatizado. Automatizar não só facilita o seu trabalho como dá mais confiabilidade às rotinas de monitoramento. Com uma vantagem: o ROI para a automação do monitoramento da sua infraestrutura de TI é facilmente justificável.

Por exemplo, o tempo de inatividade de um data center gera impactos financeiros facilmente compreendido por todos. Para detectar problemas em um estágio inicial e, assim, evitar paradas, a “manutenção preditiva” tem se tornado cada vez mais importante. E ela é mais eficiente com automação o monitoramento de todos os componentes da infraestrutura do data center. Hoje, além do monitoramento dos componentes de TI e da infraestrutura de rede, o monitoramento dos parâmetros ambientais do data center vem se tornando cada vez mais importante.

Diz o ditado popular que “mais vale prevenir do que remediar”! No ambiente empresarial esta ideia pressupõe ter visibilidade e gestão automatizada de todos os elementos que compõem a infraestrutura de TI. Por isso, cada vez mais organizações estão recorrendo à inteligência artificial para tratar questões de desempenho e automatizar correções, antes que os impactos negativos se façam sentir.

AIOps (Artificial Intelligence for IT Operations) é um bom exemplo. Quando implementada adequadamente, por uma equipe treinada, AIOps reduz o tempo e a atenção que a equipe de TI gasta com alertas rotineiros. Emergente, a prática aplica Inteligência Artificial às operações de TI para ajudar as organizações a gerenciar inteligentemente a infraestrutura, as redes e os aplicativos para desempenho, resiliência, capacidade, tempo de atividade e, em alguns casos, segurança. Ao mudar os alertas tradicionais baseados em limites e os processos manuais para sistemas que aproveitam a IA e ML – Machine Learning, a AIOps permite que as organizações monitorem melhor os ativos de TI e antecipem ações pró-ativas, aos incidentes e impactos negativos antes que ocorram.

Em resumo, com monitoramento, as empresas identificam problemas prontamente, evitando interrupções por meio da previsão de incidentes. Com automação, ganham tempo na correção de incidentes e liberam recursos para tarefas estratégicas, com a remoção de tarefas manuais repetitivas ao analisar a causa raiz dos problemas e ajustar a infraestrutura automaticamente, sempre que possível. A AIOps entra para otimizar a capacidade geral da equipe de TI com maior produção e redução de custos.

Muitas ferramentas de monitoramento de rede e de aplicação (APM) já começaram a integrar recursos de AIOps. No entanto, a tecnologia não fez nenhum progresso significativo no gerenciamento da infraestrutura do data center. E muitas razões contribuíram para esse problema. Em particular, o tamanho relativamente pequeno do mercado e a falta de recursos de AIOps da maioria dos fornecedores de DCIM, explica o pesquisador da IBM, Wei Dong. Em um trabalho publicado em julho de 2022 ele propõe uma arquitetura AIOps modular viável para monitoramento de infraestrutura de data center. Pode ser uma referência útil para quem deseja saber como implementar algoritmos de aprendizado de máquina em sistemas de monitoramento de data center.

Outro pilar da automação são dados confiáveis. A TI moderna precisa de bons indicadores de performance. Quanto mais relevantes, confiáveis e segmentados eles forem, mais base a equipe de TI terá para tomar decisões seguras em busca de objetivos de mercado. Como a automação entra nessa história? Comparando dados com rapidez; gerando relatórios precisos; promovendo correções e ajustes incrementais sem intervenção humana; indicando oportunidades e obstáculos para o aumento de desempenho e da satisfação do público interno e externo. Mais do que nunca, consumidores, funcionários e investidores esperam que as empresas sejam flexíveis e capazes de lançar novos serviços e recursos conforme o mercado exige. 

O poder da automação está começando a atingir um ponto crítico para a TI, em sua jornada de de evolução da percepção familiar de “manter as luzes acesas”, muitas vezes tida como certa, para um verdadeiro impulsionador da mudança. À medida que os esforços de transformação digital aceleram, a automação é considerada crítica na criação e manutenção do valor do negócio. Simplesmente reagir a questões de negócios de maneira convencional não funcionará mais. Em vez disso, o sucesso será definido pela rapidez com que a TI sairá na frente e criará valor para os negócios.

Em 2022, 45% dos líderes ouvidos para o estudo “State of IT Automation Report“, da Resolve, consideraram o gerenciamento de operações de TI sua principal prioridade, com as operações de nuvem logo atrás de integração com outras ferramentas (43%) e gerenciamento de serviços de TI (34%). Quase metade (47%) dos participantes dizem que suas operações de nuvem têm projetos de automação ativos em andamento. E 29% responderam que aumentar a automação este ano é extremamente – até criticamente – importante. Para outros 42%, a automação é quase vital.

The State of IT Automation: New Pressures Invite New Opportunities
Fonte: Resolve

Onde quer que você se sente em TI a automação das operações e da infraestrutura de TI fornecerá uma alavanca para a mudança, gerando novos recursos, alimentando o sucesso competitivo e estimulando a inovação. 

Em 2023, a automação será um grande trunfo na coleção de recursos do CIO.

FacebookTwitterLinkedIn