Computação em nuvem: tudo o que é preciso saber

https://network-king.net/wp-content/uploads/2022/02/shutterstock_1124727401-769x414.jpg

Na computação em nuvem, os recursos de computação são entregues pela internet. Os usuários não precisam mais de uma infraestrutura de TI gerenciada ativamente para ter acesso à rede aos sistemas e serviços de TI. Tudo o que é necessário para acessar um conjunto compartilhado de recursos configuráveis é um dispositivo com um navegador de internet, uma conexão com a internet e um nome de usuário e senha.

A natureza sob demanda e deslocalizada da computação em nuvem, juntamente com sua relação custo-benefício, revolucionou a forma como trabalhamos. As startups não precisam mais de grandes recursos de capital para iniciar projetos. Os funcionários podem acessar seus aplicativos mais rapidamente e de qualquer lugar. E as grandes corporações podem reduzir o desperdício de energia reduzindo a dispersão de servidores.

A espinha dorsal da computação em nuvem é a virtualização, processo de criação de uma versão virtual de um hardware. Envolve o uso de software especializado para criar uma versão virtual ou criada por software de um recurso de computação, em vez da versão real do mesmo recurso. Saiba mais sobre os diferentes tipos de virtualização neste artigo.

O software usado na virtualização, conhecido como hypervisor, possibilitou a criação de sistemas de TI adaptáveis às mudanças de carga de trabalho. As instâncias de computação em nuvem de hardware e software podem ser implantadas sob demanda. Em termos práticos, isso significa que vários clientes podem ser agrupados em um único servidor. Cada cliente terá uma máquina virtual,  não afetada pelo que outros clientes que operam no mesmo servidor estão fazendo. Se um cliente precisar de muito mais poder computacional, isso pode ser fornecido sob demanda e a velocidade das outras máquinas virtuais não será afetada.

Quais são as características essenciais da computação em nuvem?

De acordo com o National Institute of Standards and Technology, a computação em nuvem possui 5 características essenciais:

  • On demand / self service

Tudo o que você precisa para acessar a computação em nuvem é um dispositivo com um navegador, uma conexão com a Internet e um nome de usuário e senha para o serviço de sua escolha. A interação com os representantes de vendas raramente é necessária. Gerenciar uma infraestrutura de TI completa não é mais um pré-requisito. Para as empresas, as despesas de capital e o tempo de colocação no mercado são bastante reduzidos.

  • Amplo acesso à rede

A computação em nuvem é acessível a partir de uma rede. Principalmente, pela internet. No caso de serviços baseados em nuvem privada, o dispositivo pode estar localizado em qualquer lugar da empresa.

  • Agrupamento de recursos

Os provedores de serviços em nuvem usam um modelo multilocatário em que, por meio da virtualização, um único servidor pode hospedar, com segurança, vários clientes simultaneamente. Esse processo é conhecido como pool de recursos.

  • Elasticidade rápida

Elasticidade rápida é o termo de computação em nuvem para provisionamento escalável, que é a capacidade de fornecer serviços de forma escalável. Os usuários de computação em nuvem podem solicitar automaticamente espaço adicional, um provisionamento que pode parecer perfeito para o usuário final, em seus serviços. Assim como o pool de recursos, isso é feito por meio da virtualização.

  • Pagamento por uso

O processo de cobrança é transparente. Cada cliente paga apenas pelos recursos que utilizou.

Três modelos de serviço de computação em nuvem

Na computação em nuvem, existem três modelos de serviço diferentes. Cada um é definido por quem detém a responsabilidade e os direitos de propriedade sobre os vários aspectos da infraestrutura de TI:  IaaSPaaS e SaaS

Modelos de serviço de computação em nuvem comparados
Modelos de serviço de computação em nuvem comparados
  • IaaS (Infrastructure as a Service)

Em IaaS, o fornecedor oferece a seus usuários poder de computação na forma de infraestrutura de TI,  simples, normalmente composta por servidores, virtualização, armazenamento e capacidade de rede. O cliente então constrói uma rede de TI sobre essa infraestrutura.

  • PaaS (Platform as a Service)

Com relação ao PaaS, o fornecedor oferece a seus usuários, principalmente desenvolvedores, uma variedade de serviços de hardware e software. Isso inclui a infraestrutura básica que define IaaS, bem como middleware e um sistema operacional. Além disso, o PaaS geralmente inclui alguns aplicativos que os desenvolvedores podem usar para projetar, testar e implantar seus próprios aplicativos. A integração de banco de dados geralmente está disponível em PaaS.

Tanto a AWS quanto o Microsoft Azure também oferecem uma variedade de serviços em nuvem no modelo PaaS, mas aqui o setor está mais lotado e a concorrência está crescendo. Outros fornecedores conhecidos incluem Heroku, VMware Cloud Foundry e Oracle. O PRTG inclui sensores para monitorar serviços AWS específicos de PaaS, como EC2, EBS e ELB.

  • SaaS (Software as a Service)

Em SaaS, a empresa de serviços em nuvem é responsável por todos os elementos do software e seu bom funcionamento. Ele deve garantir que a infraestrutura e o hardware subjacentes estejam funcionando corretamente e é responsável por implantar atualizações no software. O provedor de nuvem SaaS também é responsável pela segurança dos dados e pelo aplicativo do usuário final. O PRTG inclui um sensor para monitoramento SaaS comum, bem como serviços Zoom e Microsoft 365.

O PRTG Hosted Monitor é um exemplo de SaaS baseado em nuvem. Monitorar sua infraestrutura de TI nunca foi tão fácil. Ela pode ser configurada em minutos, sem a necessidade de nenhum hardware dedicado. Você pode começar a monitorar imediatamente,  a partir do seu navegador! O produto cuida das operações do dia-a-dia, como atualizações e backups regulares de sua configuração e dados. O PRTG inclui o monitoramento dedicado da segurança de sua instância hospedada. Comece com uma avaliação gratuita e, quando estiver convencido, mude para um de nossos planos flexíveis. Você pode alternar entre as assinaturas a qualquer momento.

Quais são os diferentes tipos de computação em nuvem?

O modelo de implantação em nuvem é definido por quem controla os servidores físicos que executam os serviços em nuvem e onde eles estão localizados.

  • Cloud Pública

Na nuvem pública, os sistemas e serviços estão disponíveis para todos. Todos os elementos aqui são controlados pelo provedor de serviços em nuvem. Isso o torna econômico, confiável e conveniente, pois nenhuma manutenção é necessária para os serviços contratados. No entanto, pode haver preocupações sobre segurança e proteção de dados. As empresas com regulamentos de conformidade também devem considerar questões como a localização do data center.

  • Cloud Privada

Em uma nuvem privada, o hardware que gera todos os sistemas e serviços está dentro de uma organização ou fronteira física. A plataforma em nuvem é implementada e mantida pelo departamento de TI de uma organização em um ambiente seguro baseado em nuvem. Essa é a forma mais segura e personalizada de serviço em nuvem, mas é muito cara quando comparada à nuvem pública.

  • Cloud Híbrida

A Cloud Híbrida oferece a muitas organizações o melhor dos dois mundos. Os principais serviços e dados podem ser hospedados de forma privada enquanto os aplicativos são implantados em um ambiente de nuvem pública. A lacuna entre eles pode ser superada com uma camada de software proprietário. A nuvem híbrida é a solução preferida para TI corporativa.

  • Community cloud

Uma community cloud é uma infraestrutura de computação em nuvem que é compartilhada entre várias organizações, com interesses ou preocupações compartilhadas, de uma comunidade específica. Isso pode ser gerenciado internamente ou por terceiros. Segurança, conformidade ou questões de jurisdição são exemplos de questões que podem reunir organizações para compartilhar recursos de computação.

  • Multicloud

No modelo de implantação multicloud, uma organização usa vários fornecedores de soluções de computação e armazenamento. Ele integra esses serviços em uma única arquitetura para melhorar os recursos e os custos da infraestrutura. Isso evita o aprisionamento do fornecedor e garante economia. Também pode ajudar a resolver problemas de conformidade contratando fornecedores locais em diferentes áreas geográficas. Ao contrário do híbrido, no modelo multinuvem todos os recursos são provenientes de provedores de serviços de nuvem pública.

Benefícios e vantagens da computação em nuvem

Se a nuvem é uma evolução ou uma revolução na computação ainda é um assunto em discussão. O que está claro, no entanto, é que isso teve um enorme efeito disruptivo no setor de TI. Além da TI, os muitos benefícios e vantagens da nuvem também resultaram em ampla integração de produtos e serviços.

Custos reduzidos

Para muitos usuários, o custo da computação em nuvem é seu maior benefício, pois é simplesmente muito mais barato do que qualquer outra solução de TI. Independentemente do modelo de nuvem que uma empresa ou indivíduo assina, ele exigirá muito pouca infraestrutura de TI comparado ao poder de computação equivalente em um cenário sem nuvem. Isso, claro, significa uma grande economia.

Maior escalabilidade

Elasticidade rápida é o termo dado ao provisionamento escalável no contexto da computação em nuvem e é extremamente ágil por natureza. Se você precisar de mais poder de computação, poderá obtê-lo sob demanda. Não há necessidade de chamar os departamentos de TI e fazer solicitações. Para muitas empresas, especialmente empresas de tecnologia, os tempos de implantação podem ser bastante reduzidos por meio dessa escalabilidade, e uma vantagem competitiva é obtida.

Maior mobilidade

Outro grande benefício da computação em nuvem é que, por ser baseada na internet, pode ser acessada de qualquer lugar. A crise do COVID-19 fez com que muitas empresas mudassem seus funcionários para modelos de trabalho em home-office para sua própria segurança. Isso só foi possível graças à computação em nuvem.

Backup automático de dados

Como todos os dados na computação em nuvem são armazenados nos data centers do provedor de serviços em nuvem, os dados de um usuário são sempre armazenados em backup. Os serviços de computação em nuvem são parte integrante do plano de recuperação de desastres de qualquer organização e ajudam a garantir a continuidade dos negócios. Da mesma forma, para indivíduos que usam um smartphone ou tablet, isso significa que seus dados são armazenados com segurança em outro lugar e estão sempre disponíveis, mesmo que o dispositivo seja quebrado ou roubado.

Maior economia de recursos e sustentabilidade

A computação em nuvem é mais verde que seus antecessores. A expansão de servidores era um grande problema nos data centers antigos. Como os servidores não estavam funcionando com capacidade total, mais servidores foram necessários para atender à crescente demanda de energia de computação, e isso também aumentou os gastos com energia, pois as instalações precisavam de refrigeração adicional. A computação em nuvem significa que os servidores estão sendo executados com mais eficiência e, portanto, são necessários menos deles para um poder computacional equivalente. Essa redução nos servidores físicos também ajuda a manter o gasto de energia mais baixo.

História da computação em nuvem

A computação em nuvem, como a entendemos hoje, nasceu em 2006, quando a Amazon lançou dois produtos: S3 (Simple Storage Service) e EC2 (Elastic Cloud Computer). No entanto, as ideias subjacentes à computação em nuvem existiam desde a década de 1950, principalmente na teoria de compartilhamento de tempo de mainframe do professor John McCarthy. A virtualização como o caminho para tornar viável o compartilhamento de tempo do mainframe foi apresentada pela primeira vez pelo cientista da computação Christopher Strachey em 1959.

Com as idéias básicas subjacentes à computação em nuvem agora apresentadas, três coisas tiveram que ser desenvolvidas para tornar a computação em nuvem viável: um sistema operacional capaz de gerenciar os recursos físicos do computador, a tecnologia de virtualização que permitiria a distribuição de recursos e o acesso à Internet.

Durante as décadas de 1970 e 1980, os predecessores da computação em nuvem, inicialmente de compartilhamento de tempo, depois a computação em grid, receberam pouca atenção, pois a indústria de TI se concentrava no lucrativo mercado de computação utilitária. No entanto, as equipes de pesquisa continuaram trabalhando em segundo plano para melhorar as ferramentas necessárias para obter recursos completos de nuvem.

O termo computação em nuvem foi usado pela primeira vez por executivos da Compaq em 1996. Este é o ano em que a Compaq lançou um plano de negócios de US$ 2 bilhões por ano para fornecer servidores a provedores de serviços de Internet, como parte de sua previsão de que em breve o software de negócios passaria para o web e serviços como armazenamento de arquivos on-line para o consumidor se tornariam lugar comum. Os três fatores necessários para fazer a nuvem acontecer, o software capaz de gerenciar recursos, a virtualização e o acesso à Internet, finalmente se juntaram. Isso iniciou um período de aceleração do setor e as primeiras histórias de sucesso (e fracassos) de negócios SaaS começaram a surgir.

Apesar da bolha das pontocom estourar no final dos anos 90, ficou claro que, para muitas empresas, a nuvem era o caminho a seguir. No entanto, o conceito de uma nuvem totalmente pública, PaaS e IaaS permaneceu indefinido. Nesse momento, a Amazon, já líder no varejo on-line, migrou para o setor de e-commerce as a service e estava reorganizando seus recursos internos para uma arquitetura orientada a serviços, maximizando a autonomia das equipes de engenharia e aplicando um modelo de implantação contínua. Para maximizar o retorno de sua impressionante capacidade de computação, a Amazon.com abriu sua plataforma para todos os desenvolvedores e, em 2004, mais de uma centena de aplicativos foram construídos sobre ela. Esse interesse inesperado do desenvolvedor pegou a Amazon de surpresa, mas a empresa reagiu rapidamente e, logo, banco de dados, armazenamento e poder de computação foram identificados como o primeiro conjunto de serviços de infraestrutura em nuvem a ser oferecido. Nos anos seguintes ao seu lançamento oficial, em 2006, a AWS lançou vários produtos e serviços e, em 2010, o varejo da Amazon.com migrou para a AWS. Hoje a AWS é líder de mercado, com receita de US$ 62 bilhões em 2021.

O autor: Greta Warren-Fiedel é membro da equipe de documentação e internacionalização da Paessler. Especificamente, ela está envolvida na localização de interfaces de usuário do PRTG, adaptando-as de maneira tecnicamente correta e orientada para a cultura de destino, para torná-las comercialmente viáveis em mercados internacionais.

FacebookTwitterLinkedIn