FacebookTwitterLinkedIn

Cibersegurança é a principal preocupação dos CEOs em 2021

https://network-king.net/wp-content/uploads/2021/04/ciberseguranca-769x414.jpg

Metade dos CEOs ouvidos pela pesquisa “2021 CEO Outlook Pulse Survey”, da KPMG, acredita que a recuperação dos negócios que comandam só ocorrerá em 2022. Na opinião de 24% desses líderes, a pandemia mudou seus negócios para sempre. E será preciso cuidar de tendências-chave, como segurança cibernética, risco regulatório, risco tributário e risco da cadeia de suprimentos. A pesquisa ouviu 500 líderes das empresas mais influentes do mundo, com atuação em 11 mercados-chave.

Outras questões também preocupam, como as reduções de espaço nos escritórios e a necessidade de novos arranjos de trabalho remoto. Várias empresas importantes anunciaram planos de redimensionar ou recalibrar seu espaço de escritório nos próximos anos para acomodar um estilo mais híbrido de trabalho no escritório e em casa.

Microsoft, Twitter, Facebook, Salesforce e Spotify são apenas algumas das empresas que prorrogaram as concessões de trabalho remoto indefinidamente ou anunciaram uma mudança permanente e de longo prazo para o trabalho remoto primeiro.

Definitivamente, as empresas estão transformando os principais aspectos de seu local de trabalho e prestação de serviços, com 61 por cento afirmando que irão desenvolver suas ferramentas de comunicação e colaboração digital. Mais da metade (57%) planeja conduzir o atendimento e o engajamento com os clientes predominantemente por meio de plataformas virtuais, como bots de bate-papo, telefone, web e mídia social.

Uma maioria considerável dos líderes foi forçada a acelerar novos modelos de negócios digitais e encontrar novos fluxos de receita (69 por cento). Para isso apostaram no desenvolvimento de uma experiência digital perfeita para os clientes (56 por cento).

Três quartos (74 por cento) dos líderes de negócios relataram que a digitalização de suas operações e a criação de um modelo operacional de próxima geração se impuseram em questão de meses.

Segurança cibernética é o maior risco

Para este ano, os CEOs planejam gastar mais em tecnologias digitais do que no ano passado, com 52% priorizando medidas de cibersegurança e segurança de dados. Os riscos de segurança cibernética são vistos agora como maior ameaça às organizações nos próximos três anos. A questão saltou do quinto lugar para o primeiro lugar em seis meses.

Trabalhar em casa e interagir com os clientes remotamente aumentou a exposição a ataques em potencial e, também, a possibilidade de ser atacado por estranhos, o que pode ser muito mais prejudicial para o seu pessoal e para a empresa. As organizações precisarão implementar salvaguardas para evitar violações, bem como ter planos consistentes de resposta a incidentes.

Metade do CEOs também vai continuar investindo em tecnologias centradas no cliente e 49% pretendem melhorar as comunicações digitais, como videoconferência e recursos de mensagens.

Eles também deverão buscar caminhos para aumentar seus recursos digitais: 61% afirmam que seu apetite por fusões e aquisições nos próximos 3 anos será impulsionado principalmente pelo desejo de adquirir tecnologia digital para transformar a experiência do cliente ou proposta de valor.

Vacinação insuficiente preocupa

Além disso, à medida que traçam um caminho para a recuperação, essas lideranças sabem que precisam se concentrar em manter os benefícios das lições aprendidas durante a pandemia e mitigar os novos riscos.

“A pandemia também foi um catalisador para os CEOs avaliarem o papel que suas empresas desempenham na sociedade”, explica Bill Thomas, presidente global e CEO da KPMG International. Muitos deram voz a questões sobre as quais talvez não tivessem comentado publicamente – desde o combate à mudança climática até o apoio às diversas comunidades em que operam – e precisamos continuar ouvindo essas vozes. Praticamente metade dos líderes participantes da pesquisa (49%) planeja implementar práticas ambientais, sociais e de governança mais rigorosas.

Quase 90% dos entrevistados estão focados em garantir os ganhos de sustentabilidade e mudança climática que suas empresas obtiveram como resultado da pandemia, e 96% estão procurando “aumentar seu foco para o componente social de seus programas ESG”.

Nessa linha, antes de qualquer decisão importante ser tomada, os CEOs querem ter certeza de que sua força de trabalho está protegida contra esse vírus.

A segurança de sua equipe domina os planos dos CEOs para operar no novo cenário de negócios.  Mais da metade (55 %) deles afirmam estar preocupados com o fato de que nem todos os seus funcionários terão acesso à vacina de Covid-19, o que pode colocar suas operações ou determinados mercados em desvantagem competitiva.

Quase dois terços (61%) dos CEOs ouvidos pela KPMG aguardarão uma implementação bem-sucedida da vacina nos principais mercados antes de pedirem ao pessoal que retorne ao escritório.

Os entrevistados também expressaram preocupação sobre como monitorar aqueles que foram ou não vacinados. Uma maioria significativa (90%) dos CEOs pretende pedir aos funcionários que relatem quando foram vacinados, o que ajudará as organizações a considerar medidas para proteger sua força de trabalho. E 21% também planejam perguntar aos clientes e visitantes de suas instalações se foram vacinados.

Prudentemente, três quartos (76%) das empresas esperarão que os governos em mercados importantes incentivem as empresas a voltar ao normal, enquanto apenas 5% o farão com base nas ações de seus concorrentes. E muitos pretendem adotar uma abordagem cautelosa em relação às viagens de negócios, com 26% planejando reduzir as viagens internacionais até o fim da pandemia.

Sobre o CEO Outlook Pulse Survey da KPMG – A pesquisa 2021 CEO Outlook Pulse Survey pede aos CEOs das empresas mais influentes do mundo que forneçam suas perspectivas de 3 anos no cenário econômico e de negócios, bem como a pandemia Covid-19 em andamento. Quinhentos CEOs de 11 mercados importantes (Austrália, Canadá, China, França, Alemanha, Índia, Itália, Japão, Espanha, Reino Unido e EUA) foram pesquisados de 29 de janeiro a 4 de março de 2021. Todos os entrevistados têm receitas anuais superiores a US $ 500 milhões e 35 por cento das empresas pesquisadas têm mais de US $ 10 bilhões em receitas anuais.

FacebookTwitterLinkedIn