BlackBerry quer criar empresa independente para negócios de IoT

Blackberry headquarters in Silicon Valley
Sheila Zabeu -

Outubro 10, 2023

Depois de uma revisão de seus portfólios de negócios iniciada em maio passado, a empresa canadense BlackBerry decidiu separar as unidades de IoT e Cibersegurança em duas entidades operadas de forma independente. O principal objetivo da separação é fazer uma oferta pública inicial de ações (IPO) para os negócios de IoT, prevista para o primeiro semestre do próximo ano fiscal.

A BlackBerry acredita que uma subsidiária para IoT independente permitirá aos acionistas avaliar mais claramente o desempenho e o potencial dos principais negócios da BlackBerry. Além disso, cada uma das duas empresas separadas poderá seguir suas próprias estratégias e políticas de alocação de capital.

“O conselho e a gestão administrativa da BlackBerry acreditam que a separação dos nossos principais negócios vai melhorar a capacidade de gerar valor. Tanto os negócios de IoT quanto os de segurança cibernética possuem excelentes tecnologias e talentos e abordam grandes e crescentes oportunidades de mercado. Essa proposta de nova estrutura elevará ainda mais a agilidade operacional e a capacidade de se concentrar na oferta de soluções excepcionais aos clientes”, afirma John Chen, presidente e CEO da BlackBerry.

Nos primórdios da telefonia móvel, BlackBerry foi considerada quase um sinônimo de aparelho celular. Políticos e altos executivos de grandes empresas portavam o equipamento que já tinha teclado e dispositivos que faziam às vezes de um mouse e era capaz de trocar mensagens de e-mail. Passados alguns anos, muito começou a ser falado sobre como a BlackBerry perdeu o bonde, não se antecipando à demanda de usuários consumidores, apenas de executivos, diante da revolução iniciada pela Apple.

No entanto, mais recentemente, a BlackBerry pode ser estudada como uma empresa de hardware que migrou para o mundo do software. A parcela de suas vendas de hardware na receita foi caindo ano a ano e, no exercício financeiro de 2023, o segmento de negócios que respondeu pela maior parte da receita da BlackBerry foi o de segurança cibernética. Essa é uma grande diferença em relação ao início desta década, quando hardware ainda era a fonte predominante de receita da empresa.

Em 2016, a BlackBerry abandonou o foco em smartphones e adaptou seu modelo de negócios às tendências em software e Internet das Coisas (IoT). As iniciativas se expandiram, por exemplo, para as áreas de infoentretenimento automotivo e sistemas de assistência ao motorista, entre outras. Agora, sua estratégia para esse segmento depende da venda de produtos que adotem seu software embarcado.

A BlackBerry passou a se concentrar cada vez mais em software, principalmente na área de cibersegurança e no que chama “Enterprise of Things” (EoT), evolução do conceito de Internet das Coisas voltada a oferecer privacidade e produtividade no mundo conectado.

No relatório do segundo trimestre do ano fiscal de 2024, publicado em 28 de setembro último, a BlackBerry reportou um prejuízo de US$ 42 milhões em comparação com uma perda de US$ 54 milhões no mesmo período do ano passado. Embora a receita do segmento de segurança cibernética tenha caído 40% na relação ano após ano, a receita da divisão de IoT apresentou crescimento de 4%. A empresa afirmou que espera ver a receita de IoT seguir crescendo, com o melhor quarto trimestre da série histórica do segmento na empresa.

No dia 17 de outubro, será realizado o BlackBerry Summit 2023, abordando o futuro das tecnologias de IoT, TI e segurança cibernética. O tema central será “Trust”, pois a empresa acredita que os rápidos avanços tecnológicos criaram um déficit de confiança digital que é preciso ser superado coletivamente. Executivos da McKinsey, Siemens, AWS, entre outras empresas, além de representantes do governo canadense, vão abordar na parte da manhã questões que precisam ser solucionadas para alcançarmos um futuro digital confiável. A plenária da tarde reunirá líderes de opinião do governo, do setor privado e da mídia, discutindo temas como segurança nacional, uso da Inteligência Artificial para neutralizar a desinformação e o futuro das experiências digitais em cidade Inteligentes.

Em tempo: no dia 12 de outubro, chegará às telas do cinema no Brasil o filme BlackBerry que conta a história da ascensão e do declínio do primeiro smartphone do mundo. Veja o trailer aqui.