AWS quer ser ‘água positiva’ até 2030

https://network-king.net/wp-content/uploads/2022/12/datacenterwater-769x414.jpg

A Amazon Web Services (AWS) anunciou recentemente que devolverá mais água às comunidades do que usa em suas operações diretas até 2030. Em uma analogia ao termo usado no cálculo das emissões de carbono, será água positiva ou água+. A AWS também anunciou que sua métrica global de eficiência de uso de água (WUE – Water Use Efficiency) em 2021 foi 0,25 litros de água por quilowatt-hora.

A AWS vai reportar anualmente sua métrica WUE, além de novos esforços de reutilização e reciclagem de água, atividades voltadas para reduzir o consumo de água em suas instalações e avanços em projetos de reabastecimento.

“A escassez de água é um grande problema em todo o mundo e estamos nos comprometendo a fazer nossa parte para ajudar a superar esse desafio crescente. Em apenas alguns anos, estima-se que metade da população mundial viverá em áreas com escassez de água, portanto, para garantir que todas as pessoas tenham acesso à água, todos nós precisamos inovar para ajudar a conservar e reutilizar esse precioso recurso”, afirma Adam Selipsky, CEO da AWS.

A AWS se baseia em quatro estratégias principais para se tornar água+ até 2030: melhorar a eficiência hídrica, usar fontes sustentáveis de água, devolver água às comunidades para reutilização e apoiar projetos de reabastecimento.

Na primeira estratégia, a da eficiência hídrica, a AWS usa serviços de nuvem avançados, como tecnologias de Internet das Coisas (IoT), para analisar o uso de água em tempo real, identificar e consertar vazamentos. Também melhora a eficiência operacional eliminando o uso de água de resfriamento em muitas de suas instalações durante a maior parte do ano e, em vez disso,  usa ventilação externa. Por exemplo, na Irlanda e na Suécia, não usa água para resfriar seus data centers em quase 95% do ano. A AWS também investe em sistemas de tratamento de água que permitem reutilizar água várias vezes, minimizando o consumo para resfriamento.

No caso de fontes sustentáveis, a AWS usa água reciclada e coleta de água da chuva sempre que possível. No norte da Virgínia, nos Estados Unidos, a AWS afirma ter sido a primeira operadora de data centers no estado a ser aprovada para usar água reciclada em sistemas de resfriamento evaporativo direto. A AWS já usa água reciclada para resfriamento em 20 data centers em todo o mundo e tem planos de expandir essas iniciativa para mais instalações.

Além disso, a AWS está encontrando mais maneiras de devolver água às comunidades, depois de maximizar seu uso nos data centers. No estado norte-americano do Oregon, a AWS fornece gratuitamente até 96% da água de resfriamento dos data centers a agricultores locais para irrigação de culturas de milho, soja e trigo.

A AWS também está investindo em projetos de reabastecimento de água nas comunidades onde opera. Esses projetos expandem o acesso, a disponibilidade e a qualidade da água, restaurando bacias hidrográficas e levando água limpa, saneamento e serviços de higiene a comunidades com escassez de água. Já realizou projetos de reabastecimento no Brasil, Índia, Indonésia e África do Sul, fornecendo 1,6 bilhão de litros de água doce por ano nessas comunidades.

Uma visão geral completa de como a AWS está atuando para se tornar água+ até 2030 pode ser vista em https://sustainability.aboutamazon.com/water. Também nesse link pode ser encontrado o Water Stewardship in Data Centers da Amazon.

E o que fazem Microsoft, Google e Meta?

A Microsoft fez um anúncio similar ao da AWS em 2020, afirmando que faria investimentos contínuos para avançar na redução e na reposição de água em suas operações. Isso incluiria um padrão de design de sustentabilidade abrangendo todas as localidades do mundo em que a Microsoft atua.

Já o Google, que anunciou suas metas em setembro de 2021, declarou que  pretende reabastecer 120% da água consumida, em média, em escritórios e data centers até 2030, concentrando-se em três áreas: melhor administração dos recursos hídricos nos campi e data centers; reabastecimento e melhoria da saúde das bacias hidrográficas e ecossistemas em comunidades com escassez de água; e compartilhamento de tecnologia e ferramentas para ajudar a prever, prevenir e se recuperar do estresse hídrico.

As intenções de água+ da Meta foram anunciadas um mês antes, em agosto de 2021, informando que seus esforços de restauração de água começariam por regiões com alto estresse hídrico e também por uso de tecnologia para aumentar a eficiência hídrica das instalações. A empresa afirma que projetos de restauração de água devem reabastecer mais de 850 milhões de galões de água por ano. Nessas regiões com altos níveis de estresse hídrico, tais iniciativa restauraram cerca de 595 milhões de galões de água em 2020.

FacebookTwitterLinkedIn