A IA está reinventando a segurança cibernética

https://network-king.net/wp-content/uploads/2021/03/AIciberseguranca-769x414.jpg

As redes estão mais complexas, com uma produção de dados maior e mais rápida, e as empresas dependem cada vez mais da tecnologia, por isso, a segurança cibernética também precisa ganhar eficiência. Analisar e melhorar a postura de segurança cibernética não é mais um problema de escala humana. A inteligência artificial (IA) surge neste cenário como aliada da cibersegurança, para permitir a previsão de ataques e a rápida resposta a incidentes, já que é capaz de analisar rapidamente milhões de eventos e identificar muitos tipos diferentes de ameaças – desde malware explorando vulnerabilidades de dia zero até a identificação de comportamentos arriscados que podem levar a um phishing ataque ou download de código malicioso.

Essas tecnologias aprendem com o tempo, aproveitando o passado para identificar novos tipos de ataques agora. Em outras palavras, a integração da IA na cibersegurança permite a adaptação dos algoritmos por meio do aprendizado com experiências padrão e não apenas em uma relação de causa e efeito. Assim, a rede se torna mais resistente contra ataques cibernéticos sem que estes tenham que acontecer anteriormente para que o setor de tecnologia da empresa passe a conhecer o modus operandi do atacante.

Em outras palavras, a IA pode ser usada ​​para “acompanhar os bandidos”, automatizando a detecção de ameaças e respondendo com mais eficiência do que as abordagens tradicionais baseadas em software. Por isso, traçar estratégias tendo a IA como arma de defesa passou a ser um imperativo.

Trabalho é complementar ao da equipe de segurança

A segurança cibernética apresenta alguns desafios únicos:

  1. Uma vasta superfície de ataque
  2. Centenas de vetores de ataques
  3. Déficit de profissionais de segurança qualificados
  4. Massas de dados que desafiam a capacidade humana

Um sistema de gerenciamento de postura de segurança cibernética de autoaprendizagem baseado em IA deve ser capaz de resolver muitos desses desafios.

Como os humanos não podem mais ser escalados para proteger adequadamente a superfície de ataque corporativa dinâmica, a IA fornece a análise e a identificação de ameaças que podem ser utilizadas por profissionais de segurança cibernética para reduzir o risco de violação e melhorar a postura de segurança.

A IA permite que as equipes de segurança cibernética formem parcerias homem-máquina poderosa. Até porque, enquanto a inteligência artificial analisa dados em uma velocidade que é inviável de forma manual, as pessoas ainda são melhores em tomar decisões em situações incomuns e fornecem um bom senso que falta às máquinas.

As capacidades de uso da IA e do Machine Learning também ficam evidenciadas no processo de autenticação segura, que não só pode fazer uma autenticação física por meio de digitais ou reconhecimento facial, mas também analisa a forma como as chaves são escritas, os erros de digitação e a velocidade de digitação de um possível atacante.

O uso de técnicas de IA e Machine Learning como User and Event Behavioral Analytics (UEBA) permitem uma análise do comportamento das contas dos usuários, servidores e terminal de comunicação (endpoint) com o objetivo de identificar anomalias que podem significar o começo de um ataque desconhecido. Esse processo torna a gestão de vulnerabilidade mais eficaz ao proteger as organizações antes mesmo que as brechas de segurança sejam reportadas e corrigidas.

A IA também oferece atualizações constantes e escalabilidade, pontos cruciais no cenário atual de demanda por processamento de dados e velocidade. As soluções de segurança precisam evoluir na mesma velocidade que os atacantes e hackers conseguem criar novos ataques, por isso, não é mais possível utilizar apenas os antivírus tradicionais que oferecem pacotes de atualizações mensais. Com a capacidade de aprendizado próprio, a inteligência artificial torna a solução de proteção mais escalável por conseguir proteger contra golpes antigos e novos.

Dificuldades

Se a inteligência artificial pode ser usada para aprimorar as soluções de segurança cibernética, ela também é um recurso para fortalecer os ataques. Ao passo que os hackers utilizam cada vez mais ameaças baseadas em IA, o uso da mesma tecnologia como defesa é primordial.

Com a aplicação de inteligência artificial, é possível armar os códigos malignos, esconder códigos malignos em aplicações benignas, criar ataques capazes de se auto-propagar e encontrar as vulnerabilidades do sistema de segurança. As próprias redes neurais artificiais podem ajudar os hackers a descobrir os pontos fracos do sistema de salvaguarda da informação.

A tecnologia ainda consegue simular o comportamento do usuário para se esconder na infinidade de ações realizadas por usuários reais de uma empresa ao realizar atividades que parecem regulares. Essa tática ajuda o ataque a escapar da detecção, ou seja, a se camuflar das ferramentas de segurança tradicionais.

Portanto, se a sua segurança cibernética depende apenas dos recursos de monitoramento humano, você está em apuros. Contra a IA, só outra IA, capaz de responder em milissegundos a ataques cibernéticos que levariam minutos, horas, dias ou até meses para serem identificados por humanos.

Usando a IA para o bem

Muitas empresas já estão usando IA em suas iniciativas de segurança cibernética ou planejam introduzi-la em breve. Estudo do Capgemini  Research Institute, ouvindo 850 executivos, revelou que quase três quartos deles (73%) já tinham casos de uso de IA para segurança cibernética em teste em suas empresas em 2019.

Mas a integração eficaz da tecnologia de inteligência artificial em seus sistemas de segurança cibernética existentes não é algo que pode ser feito da noite para o dia. É preciso planejamento, treinamento e preparação básica para garantir que seus sistemas e funcionários possam usá-lo em seu máximo proveito.

Em outras palavras, é preciso construir um roteiro para a implementação de IA em segurança cibernética. Uma jornada que começa com a identificação das fontes de dados e a criação de plataformas de dados para operacionalizar a IA, além da seleção dos casos de uso certos para acelerar e maximizar os benefícios. E que passa também por colaborar externamente para aprimorar a inteligência de ameaças, implantar processos de Segurança, Orquestração, Automação e Resposta (SOAR) para melhorar o gerenciamento de segurança, treinar os profissionais para estarem prontos para o uso da IA e termina com o estabelecimento de uma governança forte, com foco em melhorias de longo prazo.

Obter os recursos para utilizar a IA é uma das dificuldades que as empresas enfrentam ao buscar a solução de segurança. Construir e manter sistemas de inteligência artificial depende de um grande investimento de tempo e dinheiro. As soluções de segurança cibernética construídas em estruturas de IA não são baratas. Como tal, têm sido proibitivamente caras para muitas empresas – empresas de pequeno a médio porte (SMBs) em particular.

De acordo com projeções da Meticolous Research, os investimentos em inteligência artificial no mercado de cibersegurança devem crever a um CAGR de 23,6% de 2020 a 2027 para chegar a US $ 46,3 bilhões em 2027.

Apesar disso, sejamos realistas: por maior que seja o custo, é muito mais barato pagar por soluções de segurança cibernética eficazes do que pagar multas, tempo de inatividade e outros custos associados a ataques cibernéticos bem-sucedidos .

A mensagem principal que queremos transmitir é que é fundamental garantir que você tenha os sistemas, treinamento e recursos adequados para gerenciar e usar com eficácia as soluções de segurança cibernética de IA. Isso o ajudará a reduzir os riscos associados ao uso de ferramentas de segurança de inteligência artificial.

FacebookTwitterLinkedIn