5 motivos para monitorar os sistemas de monitoramento da Saúde

https://network-king.net/wp-content/uploads/2022/04/shutterstock_727368211-769x414.jpg

A realidade da medicina moderna é haver muito mais pacientes do que médicos capazes de ajudá-los. A recente pandemia provou que o mundo não está pronto para emergências desse tipo e há necessidade crescente do uso da tecnologia para tornar os profissionais de Saúde mais eficientes.

Uma dessas tecnologias é o que chamamos Sistema de Monitoramento de Saúde (HMS). Em tempo real, usando IoT, esses sistemas podem ajudar os médicos a priorizar os pacientes e fornecer atendimento urgente àqueles que estão em maior perigo, salvando vidas.  Além disso, uma gestão de pacientes mais competente ajuda a utilizar os recursos do hospital com mais sabedoria e economizar dinheiro.

O mercado de dispositivos de monitoramento de pacientes está projetado para atingir US $ 55,1 bilhões até 2025, segundo a Markets and Markets. A integração de tecnologias de monitoramento em smartphones e dispositivos sem fio é uma tendência chave no atendimento ao paciente, resultando na introdução de sistemas de monitoramento remoto, dispositivos móveis de telemetria cardíaca, sistemas móveis de assistente digital pessoal (PDA), gravadores ambulatórios de EEG sem fio e monitores de eventos ambulatórios.

Os HMSs incluem tudo isso: desde dispositivos pessoais e dispositivos médicos e de imagem. Nos últimos anos, o aumento dos gastos com saúde, especialmente em ambientes hospitalares, mudou o foco para métodos alternativos de tratamento, como cuidados de saúde domiciliares. Isso, por sua vez, garantiu uma demanda crescente por dispositivos eficazes de uso doméstico, como termômetros, oxímetros de pulso, balanças, monitores de ECG, monitores de eventos, gravadores de EEG e monitores fetais. A sustentabilidade do atual sistema de Saúde é uma área-chave de preocupação para governos em todo o mundo. 

Se é essencial que os médicos tenham acesso aos dados do paciente quando precisarem é essencial também que os vários sistemas trabalhem juntos e que isso aconteça sem problemas.

Portanto, HMS requer um monitoramento abrangente de TI e rede, considerando cinco os pontos de maior atenção:

1 – Coleta de dados – Fase inicial do processo, onde equipamentos e sensores são responsáveis pela leitura das informações do paciente.  Qualquer problema com esses equipamentos compromete toda a aplicação. A assistência médica inteligente é uma das principais implementações da Internet das Coisas (IoT). Monitoramento contínuo de glicose, monitoramento de temperatura, monitoramento de pressão arterial e oximetria de pulso são algumas aplicações de dispositivos portáteis de monitoramento de pacientes, biossensores e implantes inteligentes. Sinais vitais como pressão arterial, peso, açúcar no sangue e eletrocardiografia (ECG) são medidos usando biossensores vestíveis e transmitidos por redes móveis sem fio para um servidor central.

2 – Rede – Todos os dispositivos médicos requerem uma infraestrutura de TI clássica para comunicação. Essa infraestrutura cuida da transferência de dados e fornece o hardware para a rede do sistema. Cabos, switches, servidores e sistemas de armazenamento são necessários, assim como Wifi e seus pontos de acesso. Todos precisam estar em perfeito estado de funcionamento, o que requer uma rede totalmente funcional. Qualquer tempo de inatividade afeta diretamente o atendimento da linha de frente.

3 – Processamento de dados: Nesta fase, ocorre a análise das informações. O sistema pode tirar uma conclusão rápida sobre a condição de um paciente porque é alimentado por IA e notificar rapidamente um médico se o paciente precisar de ajuda imediata.

4 – Aplicação – Após o processamento, os dados são enviados para sistemas especialistas e aplicativos móveis usados pelos médicos. De novo, o monitoramento de TI passa a ser crítico, dado que as aplicações usam a infraestrutura de TI tradicional, como switches, servidores, bancos de dados e sistemas de armazenamento.

5 – Segurança – A segurança desempenha um papel importante. A TI do hospital não está mais isolada; está entrelaçado com várias instituições (companhias de seguro de saúde, médicos, tecnologia de construção, administração, etc.), colocando expectativas extremamente altas em firewalls , scanners de vírus e sistemas de detecção de intrusão. 

A disponibilidade de dispositivos, as transferências de dados e o desempenho dos aplicativos devem ser mantidos sob observação contínua. 

O que uma ferramenta de monitoramento de TI deve fazer?

E como ela deve ser aplicada ambientes médicos?

Bom, de forma muito simplista, a configuração e as funcionalidades de transmissão, armazenamento, análise e publicação de dados em tecnologia médica são as mesmas da rede de TI clássica. Portanto,o software de monitoramento de TI e rede deve:

  • Monitorar as velocidades da rede e verifique se há gargalos, etc. Isso deve ser feito usando protocolos de rede comuns como SNMP, Netflow, WMI e assim por diante.
  • Monitorar dispositivos como roteadores, servidores, armazenamento e assim por diante.
  • Fornecer alertas e notificações quando determinados limites forem atingidos, como quando a largura de banda estiver baixa ou quando um dispositivo ficar superaquecido.
  • Exibir o status da infraestrutura em uma única visualização de painel.

As soluções de monitoramento de TI e rede oferecem aos provedores de assistência médica a capacidade de monitorar conexões de dados vitais, servidores, aplicativos e até estações de trabalho. Isso permite que mantenham o desempenho ideal em toda a infraestrutura de TI das organizações de Saúde.

Por fim, apesar da importância dos dispositivos médicos, são os dados que estão no centro do sistema de TI médico moderno – como em qualquer sistema de informação. Os dados do paciente precisam estar prontamente disponíveis em vários pontos de contato no hospital — por exemplo: para o médico que consulta um paciente, no departamento de raios-X e assim por diante. Imagens de dispositivos de imagem, como ultrassons ou imagens de ressonância magnética, precisam ser transferidas, armazenadas e disponibilizadas para médicos e enfermeiros em todo o hospital e além.

Para atender a isso, muitos hospitais têm um hub de comunicação central  – também conhecido como mecanismo de integração – por meio do qual os dados do paciente são transmitidos entre departamentos, dispositivos e médicos. As informações são trocadas entre este servidor central de comunicação e vários outros sistemas:

  • O Picture Archiving and Communication System (PACS) fornece um repositório central para imagens digitais que são carregadas por dispositivos de imagem digital.
  • O Sistema de Informação de Radiologia (RIS) processa os dados produzidos e necessários pelos departamentos de radiologia.
  • O Sistema de Informação Hospitalar (SIH) abrange os dados administrativos do hospital.
  • O Sistema de Informação Laboratorial (LIS) trata dos dados produzidos e necessários aos laboratórios.

Esses sistemas, juntamente com o mecanismo de integração, dispositivos médicos e dispositivos de TI típicos, são executados no que pode ser considerado a rede tradicional. Isso significa que as equipes de TI dos hospitais não apenas enfrentam o risco de os próprios dispositivos médicos digitais não funcionarem, mas também os riscos adicionais — e mais tradicionais — de falhas nas redes, falhas nos dispositivos de armazenamento ou falhas nos servidores. Porque quando essas coisas falham, a transferência e a disponibilidade dos dados ficam comprometidas.

Então, o que deve ser monitorado?

1. Dispositivos Médicos Digitais

Os dispositivos médicos agora estão conectados e podem enviar e receber dados pela rede. A vantagem disso é que esses dispositivos podem ser monitorados nessa mesma rede. A pegada? Os dispositivos médicos não oferecem as mesmas possibilidades de monitoramento que outros dispositivos IoT, como suporte a SNMP ou NetFlow, portanto, você precisará de uma ferramenta de monitoramento com funcionalidade específica para monitorar esses dispositivos. 

2. O Mecanismo de Integração

O motor de integração é o sistema nervoso central (se quisermos continuar nossa metáfora da anatomia) do hospital. É o hub que conecta todos os sistemas e fluxos de dados no hospital e, portanto, é imperativo observá-lo de perto. A maioria dos servidores dessa natureza oferece uma API RESTful , e isso pode ser usado para recuperar dados sobre o status do servidor e seu desempenho.

3. Comunicação entre sistemas médicos

O ambiente médico usa protocolos padrão para a comunicação entre o mecanismo de integração e os sistemas periféricos. O  protocolo DICOM (Digital Imaging and Communications in Medicine)  é usado para armazenar e transmitir imagens médicas digitais. Para transferir dados do paciente e administrativos, o  protocolo HL7 é comumente usado.

Para monitorar a comunicação dentro de um sistema médico, então, é lógico que você precisará de uma ferramenta capaz de monitorar esses protocolos. Por exemplo: para testar se um dispositivo DICOM está armazenando imagens corretamente, é possível usar a funcionalidade DICOM C-STORE como teste. Você pode então ter uma ideia se o dispositivo está ficando sem espaço, se um dispositivo está funcional ou não e quanta largura de banda ele usa.

Da mesma forma, é possível ter uma ideia da integridade geral da comunicação verificando rotineiramente as interfaces HL7 e garantindo que elas estejam respondendo às solicitações.

4. TI tradicional

Claro, tudo volta para a rede típica, e os dispositivos antigos que monitoramos há anos: roteadores , switches , servidores … essas coisas não são novas. A novidade é ver as métricas desses dispositivos exibidas ao lado das métricas específicas médicas, tudo em uma tela. Existem ferramentas que fazem isso e, para ambientes digitalizados e integrados, como a TI médica moderna, é um requisito crítico.

FacebookTwitterLinkedIn